Perfil epidemiológico dos homicídios por lesão de arma branca no Estado de Alagoas entre 2011 e 2020

Perfil epidemiológico dos homicídios por lesão de arma branca no Estado de Alagoas entre 2011 e 2020

Autor(a)
Santos, Thiago Ferreira dos.
<thiago.santos2@arapiraca.ufal.br>
Ano de publicação
2022
Data da defesa
03/06/2022
Curso/Outros
Enfermagem
Número de folhas
44
Tipo
TCC - Trabalho de Conclusão de Curso
Local
UFAL, Campus Arapiraca, Unidade Educacional ARAPIRACA
Resumo

Nos últimos anos, a violência tem sido um dos maiores problemas em todo o mundo, sendo responsável por inúmeros danos às vítimas e seus familiares, além de elevar exponencialmente os gastos públicos para tratar de seus efeitos. Alagoas tem figurado como um dos estados mais violentos da última década, com elevadas taxas de mortalidade por homicídios. Para o enfermeiro, é de suma importância compreender qual o perfil epidemiológico dos homicídios para que ele possa atuar de modo descentralizado, atuando nas frentes que são de sua competência para ter um maior contato com a comunidade, ao tempo em que se elaboram estratégias de conscientização, estando preparado também para atender as fatalidades que venham a surgir durante o serviço. Diante disso, o presente trabalho tem por objetivo investigar o perfil epidemiológico dos óbitos provocados por armas brancas no estado de Alagoas, entre 2011 e 2020. Os dados foram obtidos a partir do banco de dados do departamento de Informática do SUS através do Sistema de Informação de Mortalidade do SUS, por região do Estado de Alagoas, registrado através do código X99 - agressão por meio de objeto perfurante ou penetrante. No período compreendido entre 2011 e 2020 foram registradas, em hospitais alagoanos, 1697 mortes de vítimas por lesões com arma branca provocadas por terceiros. O estudo elucida que o perfil epidemiológico dos assassinatos por arma branca em Alagoas é constituído, em sua maioria, por homens jovens e de pele parda. A sazonalidade se mostrou um fator de influência direta nas taxas de homicídios por arma branca, apresentando uma elevação do número de casos entre a primavera e o verão.  

Abstract

In recent years, violence has been one of the biggest problems around the world, being responsible for countless damages to victims and their families, in addition to exponentially increasing public spending to deal with its effects. Alagoas has been one of the most violent states in the last decade, with high homicide mortality rates. For nurses, it is extremely important to understand the epidemiological profile of homicides, so that they can act in a decentralized way, working on the fronts that are within their competence to have greater contact with the community, at the same time that awareness strategies are developed. , being also prepared to deal with the fatalities that may arise during the service. Therefore, the present work aims to investigate the epidemiological profile of deaths caused by bladed weapons in the state of Alagoas, between 2011 and 2020. The data were obtained from the database of the Department of Informatics of the SUS through the Information System of Mortality of the SUS, by region of the State of Alagoas, registered through the code X99 - aggression by means of a piercing or penetrating object. In the period between 2011 and 2020, 1697 deaths of victims caused by stab wounds caused by third parties were recorded in Alagoas hospitals. The study elucidates that the epidemiological profile of murders by bladed weapons in Alagoas is constituted, mostly, by young, brown-skinned men. Seasonality proved to be a factor of direct influence on homicide rates by bladed weapons, with an increase in the number of cases between spring and summer.

Orientador(a)
Dr.ª Farias, Karol Fireman de.
Banca Examinadora
Dr. Oliveira, Jarbas Ribeiro de.
Dr.ª Silva, Meirielly Kellya Holanda da.
Palavras-chave
Epidemiologia.
Violência.
Arma branca.
Áreas do Conhecimento/Localização
Coleção Propriedade Intelectual - CPI/BSCA.
Categorias CNPQ
4.00.00.00-1 Ciências da saúde.
Visualizações
42
Observações


Não foi possível exibir o PDF